É já amanhã, lançamento do livro "Os segredos da guerra civil da RENAMO"


O ANÚNCIO DO LIVRO JÁ FAZ SAIR DA TOCA AS CIGARRAS…
Foi anunciado, por blogs, sem ter saído à estampa, ainda e sequer, o Livro “No Centro do Vulcão, Os segredos da guerra civil de Angola e da Fundação da Resistência Nacional Moçambicana”.
Já provocou, e logo, urticária. Nos mesmos, nos que não sabem conviver com as ideias e as opiniões dos outros. Nos que estão prontos, de chicote na mão, para verdascar quem se atreva a trazer golfadas de Liberdade. Nos que se aprontam, com a tesoura da censura, para cortar, o que outros, em liberdade de consciência, querem deixar para a História. 
Essa divulgação já fez entrar, em stress e em polvorosa, o pessoal, os mesmos de sempre, os que se dão ao trabalho de, em Moçambique, aliás, como o livro vai desbaratar-demonstrar, não saber viver em Democracia. Foi a Democracia que eles vandalizaram, instituindo o marxismo, em Moçambique, para lançar campos de reeducação, à boa maneira soviético-cubana… 
São esses, armados em defensores de Moçambique que, e evidenciando o seu racismo puro e duro, o que se arca no tribalismo menor  e no mais primitivo, que não percebem que existem moçambicanos de todas as cores, de todos os crédulos religiosos e que a raça é a mesma, a humana, porque há moçambicanos pretos, brancos, amarelos, castanhos e de outros sombreados… Por que há, quer o queiram quer não, moçambicano-portugueses, como o é J. Veloso e Sérgio Vieira, além de outros, como o Editor e Autor desta Obra.
Os que se opõe às vozes da Liberdade por princípios políticos, já estafados e gastos, num tempo de novas Ideias e de novas Tecnologias, as que facilitam os contactos e nos abrem à transmissão de opiniões livres, continuam amarrados ao passado e apegados a ditaduras. Gente menor…
São esses, e ainda, que semeiam ventos e vão colhendo as tempestades que estão à vista de todos, em Moçambique, onde a população, mais de 85%, empobrece e se desfaz em misérias.
O Editor e  Autor, a que se associa o co-autor, ficam agradecidos a esses tais que, e mesmo antes do Livro estar disponível nas bancas, já lhe fazem publicidade e propaganda, o que lhe dará a maior e a mais valente distribuição, sendo crer que poderá atingir uma 3.a ou 4.a edição, em face do que ali se escreve e se conta. Vão ser publicados documentos comprometedores.
Estas cigarras que atormentam as formigas, são as que, ao sol, em tempo benéfico, cantam para espalhar seus males, porque estão conscientes  - sem o conseguir afirmar - que o Rei(Moçambique) vai e está nú, de fome, de miséria, de liberdade e de esperança.
Agradecidos pela vossa propaganda. Continuaremos a cantar a Liberdade e a defender a justiça social, única forma mágico-humana-cristã para dar dignidade às pessoas e aos povos. Não nos vendemos, tanto cá, como acolá ou acoli, e jamais seremos escravos de vendilhões de templos e/ou de Países… Sem pão nunca haverá liberdade e jamais um Povo terá felicidade.
                                                                                                      Zé Fraga

Deixe connosco seus anúncios através do seguinte correio electrónico: saculcardoso01@gmail.com Ed. Sacul Cardoso

1 comentário: